A Polêmica Martel-Scliar, Round 3: Onde o circo pega fogo + Curiosidades

12:14


Eis que chegamos ao final desta odisseia terrestre marítima. E é aqui que o circo pega fogo, senhoras e senhores! Teorias da conspiração, alfinetadas, mentiras de pernas curtas, trechos de entrevistas dos escritores, cada qual defendendo seu peixe... tudo para você escolher os melhores argumentos e chegar na rodinha de amigos arrasando sobre o suposto plágio, garotchenho (não me acusem de plagiar o Zé Graça, por favor)! Pegue uma xícara de café bem quente e fique confortável, pois o maior espetáculo do mundo contemporâneo vai começar: a polêmica.
P.S.: tudo que está escrito aqui foi pesquisado e/ou visto com meus próprios olhos que um dia a terra há de comer.

Round 1 | Round 2



alguns fatos sobre o suposto plágio e a polêmica
1. Max e os Felinos usou a ideia primeiro.
Isso é óbvio, mas é sempre bom começar pelo que está na cara. O livro de Scliar foi escrito em 1981, 21 anos antes de A Vida de Pi ser lançado em 2002.

2. A polêmica começou a bombar quando Martel ganhou o prestigiado Man Booker Prize ainda em 2002, mas voltou à tona em 2012 com o lançamento do filme As Aventuras de Pi, direção de Ang Lee. Em 2013 f*u de vez quando Life of Pi foi vencedor de 4 Oscar e Scliar, já descansando em paz (com essa chatice toda acho que é difícil), não recebeu nem uma palavrinha de agradecimento, mas Martel, sim.

3. A partir de uma determinada edição de As Aventuras de Pi (Life of Pi) Yann admite a influência incluindo nos agradecimentos uma tímida notinha que diz "já a centelha de vida devo ao Sr. Moacyr Scliar".

4. Yann Martel não leu Max e os Felinos. Como o próprio diz em entrevista ao Estadão:
"Eu emprestei a premissa de um livro que não havia lido." e "Nunca vi o livro. Estou certo de que é 

Fellini lendo uma resenha sobre Max e
os felinos e pensando em usar a ideia.
muito bom.".

5. Yann Martel disse que conheceu o livro a partir de uma resenha desfavorável do também escritor John Updike para o The New York Times. Pééén... Resposta errada, mr. Martel. Larry Rother responde que não há nenhum arquivo apontando para esta resenha e que Updike disse que nunca ouviu falar nem de Scliar, nem de Max e os Felinos. E ainda: que a única resenha que consta é favorável ao livro. (Em inglês aqui)

6. Enquanto Max e os Felinos tem cunho político, Pi tem forte ligação com religião, espiritualidade e humanidade.


7. Como já sabemos e ambos os escritores disseram, nada se cria, tudo se copiaAté Federico Fellini (ao lado) tem um filme com um rinoceronte e um cara num bote! E saiu dois anos depois do livro do Scliar! O que me dizem, hein, hein? Eu fiquei shocked!

defendendo o seu, yann e scliar comentam o caso: 
yann martel
"Zero Hora – A imagem mais forte em seu livro – menino e animal isolados em uma barco salva-vidas – é idêntica à que Scliar usou em Max e os Felinos. Quais os limites que um artista deve respeitar quando se inspira nos trabalhos de outros artistas?
Martel – Ótima pergunta. Em minha opinião, está claro que o que fiz está longe de ser considerado um plágio. Responda-me, baseado no que escrevi, sem ao menos ter lido o livro do sr. Scliar, você acha que eu o plagiei? É possível plagiar um livro que nunca se tenha lido?Fonte

"Agência Estado - O sr. disse que leu uma resenha de John Updike sobre o livro de Moacyr Scliar. Mas Updike diz que nunca o leu. Como, então, tomou contato com o tema? 
Yann Martel - Acho que não foi Updike e também não foi no The New York Times Book Review. Fui traído por minha memória. O certo é que há mais ou menos dez anos li uma resenha num jornal norte-americano sobre o livro de Scliar." 

"
Agência Estado O sr. (Martel) escreveu: 'Como uma premissa brilhante pôde 
ser arruinada por um escritor menor.' Não acha que foi injusto?
Yann Martel - Essa frase está fora de contexto. A citação faz parte de um texto disponível no site www.powells.com e é seguida por: "Pior, e se Updike estivesse errado? E se foi uma premissa brilhantemente trabalhada?" Não estava julgando nem o livro nem o autor. Estava descrevendo minha reação a uma premissa maravilhosa."
Na boa, Martel, se você pensou isso mesmo deveria ter lido o livro.

Moacyr scliar
"Muitas pessoas me perguntam se vejo aí um plágio. Não tenho uma resposta para esta pergunta; eu precisaria recorrer a algum conceito de plágio estabelecido por pessoas ou instituições sérias, conceito este que, para dizer a verdade, não conheço: nunca precisei dele, porque nunca enfrentei esse problema;" 
Ouch! Vi aqui.

"É um sinal de maturidade procurarmos andar com nossas próprias pernas. E também é sinal de maturidade reconhecer, de forma explícita, a utilização de material dos outros." Hadouken! (na introdução de Max e os Felinos)





e então, estamos no mesmo barco?
Como eu já disse nos outros rounds,a premissa de um garoto náufrago com uma fera num bote é a mesma e os pais são muito parecidos. Além disso, no filme, Pi se apaixona por uma moça ainda na Índia, mas precisa deixá-la. No livro de Yann Martel isso não acontece. Mas em Max e os Felinos sim (vide periguete na resenha). Coincidência? Fácil de duvidar. Poréém, o resto é completamente diferente.


coisas que eu aprendi lendo esses dois livros
» Jaguar e onça são o mesmo bicho. Juro que faltei nessa aula.
» Krishna assim como Jesus é representado adulto e bebê.
» O ratinho, quase invisível, que fica ao lado do deus hindu Ganesha o carrega em suas viagens.
» Quando Krishna era pequeno e sua mãe terrestre o acusou de comer não sei o quê, ele abriu a boca e ela viu o universo.
» O nome Richard Parker tem uma origem um tantinho macabra:
Edgar Allan Poe escreveu um livro chamado “O relato de Arthur Gordon Pym”. Era sobre náufragos sobreviventes que ficaram muitos dias em um bote aberto antes de decidirem “abater” e devorar o camareiro, que se chamava Richard Parker46 anos mais tarde, em 1884, uma embarcação chamada Mignonette, afundou com apenas quatro sobreviventes que ficaram em um bote aberto por muitos dias. Alguns dias se passaram e os três membros mais experientes da equipe fizeram o mesmo que os personagens daquele livro e comeram camareiro, que se chamava, também, Richard Parker. MEEEEEEEEEDO!1!! 
» Yann Martel gosta de aparecer.

agora é com vocês
Bem, agora já falei tudo que podia sobre esse caso chatinho que me fez conhecer livros bem legais o que VOCÊS acham?

Fontes: 
Livros Max e os Felinos - Moacyr Scliar e As Aventuras de Pi - Yann Martel | Entrevista de Yann ao Estadão Entrevista de Yann ao Zero Hora | Tiger in a Lifeboat, Panther in a Lifeboat - NYT | Incríveis Coincidências

P.S.: A imagem do tigre usada nos banners dessa semana foi retirada do Deviantart SunandceAndStar. O jaguar foi fruto do Google, não sei o autor. A ideia do jaguar e o tigre se encarando foi do Louie. Sim, tudo isso é para não me acusarem de apropriação indevida da ideia alheia.

Você vai gostar destes:

0 comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Translate

Arquivo